Ponte 516 Arouca
Porto e Norte

Ponte suspensa em Arouca não é a maior. E isso interessa?

Foi oficialmente inaugurada, no dia 2 de maio, a ponte 516 Arouca, que colocou Portugal nas bocas do mundo. As manchetes em vários meios de comunicação nacionais e internacionais davam conta de que se tratava da maior ponte pedonal suspensa do mundo, assim como tinha sido comunicada pela Câmara Municipal de Arouca. No entanto, esta ponte suspensa em Arouca não é a maior do mundo. E depois? Isso interessa?

Poucos dias após a abertura da ponte, sairam notícias de que, ao contrário do que foi dito, não se tratava da maior ponte pedonal suspensa do mundo. Existe uma maior no Nepal. A questão levou a que a Câmara de Arouca emitisse um comunicado a explicar que, quando foi anunciada era de facto a maior do mundo, no entanto, a Ponte 516 Arouca acabou por não ser inaugurada em 2020, devido à pandemia e nesse intervalo surgiu uma nova ponte suspensa maior que este. De facto, notícias dão conta de que o Nepal tem, desde o ano passado, a maior ponte pedonal suspensa do mundo.

Mas afinal, qual é exatamente o problema disso? Qual a necessidade dos rótulos? Porque motivo vivemos nesta corrida constante para ter o maior, o mais caro, o mais alto? Nós visitamos um lugar por ele ser o número um no mundo? E quando passa a ser o “segundo maior” ou o “segundo mais caro”, isso faz com perca valor?

A Ponte suspensa em Arouca continua a ser incrível

A ponte de Arouca é uma obra de engenharia incrível que, estou certa, proporcionará experiências incríveis a quem a atravesse. Muitos não compreenderão o fascínio de atravessar uma ponte suspensa 175 metros acima do nível do rio Paiva, da mesma forma que muitos não compreendem o fascínio de ver 22 homens a correr atrás de uma bola. Digam Olá à diversidade de opiniões. No entanto, isso não impede que o futebol seja o desporto rei. Goste-se ou não, é necessário ter o bom senso de compreender que a ponte de Arouca tem uma importância fortíssima no turismo da região e no desenvolvimento do concelho.

Ponte 516 Arouca

Qual a necessidade de rotular absolutamente tudo? Temos esta vontade louca de sermos os “mais alguma coisa” em tudo. Superar os outros parece um ponto mais importante do que oferecer o melhor que podemos. Mas o mundo está em constante mudança. São construídas pontes mais longas, edifícios mais altos… Os recordes foram feitos para serem batidos. E quando acontece de sermos ultrapassados, sentimos que perdemos. Mesmo continuando a oferecer exatamente o mesmo valor que antes.

Tudo que foi dito sobre a ponte foi que era a maior do mundo e agora… já não é. Podia-se ter promovido a ponte 516 Arouca falado nas paisagens deslumbrantes, do rio Paiva, da experiência única capaz de fazer acelerar o coração, do vento na cara… Porque tudo isso mantém-se e país nenhum pode tirar. É um mérito próprio. E tudo isso vai manter-se para sempre, independentemente do que acontece do outro lado do mundo. O rio vai continuar a correr com pressa, as paisagens continuarão imensas, o vento continuará a soprar e o nosso coração ainda baterá mais forte. Isso deveria ser o mais importante. Isso deveria ser a maior conquista de Arouca. Isso devia ser o motivo para as pessoas a visitarem.

Mas os adultos, adoram números, adoram comparar-se, adoram a ideia de estar acima dos outros e preferem agarrar-se a conceitos mutáveis e a comparações fúteis.

Mas querem saber? O facto do Nepal ter uma ponte maior não muda em nada a experiência de atravessar a de Arouca. Não desvirtua a obra notável de engenharia e a sua grandiosidade. Não é uma competição. É uma experiência única. Não é sobre o lugar que ocupa na lista de maiores pontes, é sobre o que significa para a região e o que oferece aos visitantes. E esse mérito, ninguém lhe tira.

Se quiserem visitar a Ponte Suspensa em Arouca e aproveitar e fazer os Passadiços, podem ler a publicação onde conto tudo o que precisam saber para visitar os Passadiços do Paiva.

Leia também

1 Comment

  1. Esta ponte tem tudo de incrível e concordo que vá ser super importante para o turismo da região.

    Contudo, pessoalmente dispenso porque ela é tão brutal que só de ver fotos fico com vertigens.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.